Universidade do Minho  

             
 
  Autenticação/Login
 
homepage
mapa do site
informações
contactos
como chegar
email para webmaster
   
  imprimir
 
voltar 
Mapa das Ruas de Braga de 1750  
Mapa das Ruas de Braga de 1750
O presente trabalho é uma síntese dos elementos considerados de maior interesse para a história das casas referenciadas no Mappa das Ruas de Braga.
 

Versão Digital 

Realizado no âmbito do Projecto HiNet


As Ruas de Braga em 1750 que figuram no Mapa
«As breves notas que elaboramos para cada uma das 60 ruas, cangostas, praças ou rossios constantes no Mappa das Ruas apenas pretendem ser um pequeno elemento de apoio básico à compreensão da sua vida e arquitectura. Não é este o local para o estudo profundo e necessário para cada desses espaços, que, nos parece, deverá ser feito em volumes independentes e monográficos.

Aqui pretendemos tão só dar alguns, poucos, elementos caracterizadores da história, arquitectura, urbanismo de cada artéria; compreender as principais linhas de força da sua evolução. Por isso mesmo tivemos o cuidado de definir os limites e o sentido de cada rua, de a hierarquizar no conjunto da cidade e de salientar as alterações, normalmente tão significativas, que o seu nome foi tendo.

Como notícias curtas que são, não levam notas. É que, embora por vezes elas façam falta, até porque há um ou outro ponto que nos mereceu uma investigação mais cuidada, não nos pareciam fazer muito sentido, pois, facilmente, tomariam uma expressão tão grande como a da notícia em si.»

(OLIVEIRA, Eduardo Pires. In: Mapa das Ruas de Braga, vol. 2, ed. Arquivo Distrital de Braga e Companhia IBM Portuguesa, 1991, p. 45)

Casas foreiras ao Cabido em 1750
«O presente trabalho é uma síntese dos elementos considerados de maior interesse para a história das casas referenciadas no Mappa das Ruas de Braga.

Para a sua realização foram consultados, além de outra documentação, os índices de prazos das casas e dos casais do cabido, os prazos da mesa capitular, os livros de pensões das casas, e os livros das pensões das galinhas e capões do cabido.

A metodologia adoptada baseou-se no tratamento individual das casas foreiras ao cabido e à obra da Sé.

Assim, e na medida do possível, procedeu-se à recolha, entre outros, dos seguintes dados: nomes dos enfiteutas principais e valor das pensões em 1750, confrontações, datas de construção, demolições e união de prazos, notícias de emprazamentos e da sua sucessão, de subemprazamentos, de pensões a outros enfiteutas e de pagamento de tributos a várias entidades.

Pensamos que estas referências podem servir de ponto de partida para a realização de futuros trabalhos.

Por último, recomendamos a consulta dos índices toponímico, onomástico, cronológico e de profissões, onde se contêm diversas informações sobre as datas dos emprazamentos e seus intervenientes.»

(VASCONCELOS, Maria da Assunção Jácome. In: Mapa das Ruas de Braga, vol. 2, ed. Arquivo Distrital de Braga e Companhia IBM Portuguesa, 1991, p. 45)


 

 
voltar 
 
  © 2021 Universidade do Minho  - Termos Legais  - actualizado por ADB Símbolo de Acessibilidade na Web D.